TERRITÓRIOS

Maputo
Moçambique

Resumo

No caso de Maputo, a capital de Moçambique, a própria problemática urbana é diferente e introduz novos elementos de análise. As contradições “capital-vida” patentes em Maputo são a expressão de outro dos âmbitos do capitalismo do século XXI.

Maputo. Territorios en Conflicto

Maputo tem uma população estimada de 1.200.000 pessoas. O centro da cidade tem padrões de vida e níveis de preços ocidentais. Porém, é preciso lembrar que mais de 80% dos seus e suas habitantes vivem em bairros informais, na sua maioria sem esgotos e saneamento, sem ordenamento territorial, sem ruas pavimentadas e sem iluminação pública.

São labirintos de becos e casas precárias sem condições de arejamento. São territórios de crime organizado onde vivem pessoas desempregadas e com altos índices de pobreza, de violência social e de violência contra as mulheres e raparigas, em particular. São bairros como a Polana-Caniço, Mafalala, o Infulene, as Mahotas ou a Maxakeni.

Na última década, iniciaram-se diversos planos de reordenamento urbano o que tem vindo a gerar inúmeros conflitos relacionados com o acesso ao DUAT – Direito de Uso e Aproveitamento da Terra e com os limites legais dos lotes em disputa.

A grande maioria das/os habitantes não dispõe de títulos de DUAT, o que prejudica o seu direito a conseguir construir uma habitação condigna. O aumento dos preços das rendas urbanas e outros processos de gentrificação estão a fazer com que as populações dos bairros de Polana-Caniço e Maxakeni, que estão em territórios de expansão do centro mais elitista da cidade, estejam a ser forçadas a abandonar as suas casas para dar lugar a condomínios mais ou menos luxuosos. Empurradas para cada vez mais longe e sendo rompidas as suas redes de vizinhança e apoio mútuo este processo é uma das faces, menos analisadas, da economia extractiva e a correspondente acumulação de riqueza que se traduz em espaços urbanos cada vez mais exclusivos e inacessíveis à maioria.

Face à ameaça de gentrificação, existem organizações comunitárias apoiadas por ONGs que tentam resistir a estes processos com alternativas urbanísticas e jurídicas de obtenção de DUAT e de combate à pobreza e ao desemprego. No âmbito deste projecto, pretende-se analisar melhor os conflitos que esta situação tem vindo a gerar e potenciar alguns espaços de empoderamento da população, em particular das mulheres jovens, através da arte e do desenvolvimento de diversos materiais pedagógicos.

Eventos

18/05/2021

Online

RETRATO DA GUERRA EM CABO DELGADO (MOÇAMBIQUE): VOZES DO TERRENO

17/05/2021

Santuário de Montepuez (Seminário Propedêutico São Paulo)

INDÚSTRIA EXTRATIVA VERSUS DIGNIDADE HUMANA

14/04/2021

Sala de aula 0.4 (Faculdade de Sarriko / UPV/EHU) e online

CINE-FORÚM "TERRA EM SUSPENSO”

25/05/2020

Online

WEBinar aberto: Território em conflito: insurgência militar e resistências em Cabo Delgado

04/12/2019

Sede de la AECID, Madrid

Documentários do projeto “Territórios em Conflito” projetados na sede da AECID em Madrid

28/11/2019

Campus Universitario Principal (UEM), Maputo

Apresentação do Estudo de Caso sobre Cabo Delgado em Maputo

06/11/2019

El Taller de ctxt (Madrid)

Estreia do documentário “Terra em Suspenso: Ameaças e Resistências em Cabo Delgado (Moçambique)”

06/02/2019

UCM (Pemba)

Seminário: Visões, perspectivas e iniciativas sobre Desenvolvimento Humano em Cabo Delgado